25 julho 2024, 20:53
Mais
    InícioVale do SousaLousadaJosé Marques, o exemplo da resiliência e força de vontade

    José Marques, o exemplo da resiliência e força de vontade

    Published on

    José Maria da Silva e Marques é o nome completo do protagonista desta história. Muitos conhecem-no por José Marques e outros até por José Maria. Tem 49 anos e é técnico profissional de bibliotecas e documentação na Biblioteca Municipal de Lousada desde 2005. Assumiu a presidência da ALDAF – Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares em 2014. Este lousadense é sinónimo de resiliência e força de vontade. José Maria é cego e, todos os dias, vence as batalhas que a doença lhe impõe desde bebé.

    “Desde pequenino tenho problemas de visão ainda bebé, com 1 ano de idade, eu ceguei do olho esquerdo. Chorava muito da vista e tinha problemas em ver luzes fortes, por exemplo, o sol. Não conseguia ver, porque começava logo a chorar pelo olho esquerdo. Então os meus pais levaram-me ao médico e diagnosticaram-me um problema no saquinho das lágrimas. Fui operado e acabei por cegar. Na outra vista verificara, mais tarde, que tinha miopia, mas dava para fazer tudo o que numa criança dava para fazer”, conta José Marques.

    O problema estava descoberto e eis que começam a surgir as primeiras dificuldades.

    “Na escola tinha algumas dificuldades a olhar para o quadro, colocavam-me na primeira fila, mas mesmo assim tinha problemas em ver para o quadro”, revela José Maria.

    A doença parecia estar controlada, mas, aos 12 anos, surge o “pior cenário”.

    “Tive um problema na vista direita por descolamento da retina. Eu estava num arraial de São Pedro e, à noite, reparei que as luzes estavam um bocado descoloridas, como se eu estivesse a ver as coisas com óculos de sol. No dia a seguir a situação piorou, as cores já não eram como eu as via. Olhava para o sol e era como se estivesse uma névoa como se estivesse de óculos de sol. Fui ainda nesse dia para o Hospital São João, onde estive 15 dias internado, fiz 2 operações e fiquei com baixa visão. Via muito pouco, conseguia desenhar com cores muito fortes, mas ler já não conseguia, com o tempo a visão começou a piorar”.

    E como é que um jovem lida com a perda de visão? José Maria responde que “na altura, eu não tive grandes prolemas porque era um inconsciente e tive a sorte de ser internado no Instituto São Manuel, no Porto”.

    O Instituto São Manuel é uma escola para crianças e jovens cegos. José Maria entrou no Instituto com 14 anos e lá permaneceu durante 2 anos e meio, em serviço de internato, e só ia a casa ao durante o fim de semana. Assegura que foi lá que aprendeu grande parte do que sabe hoje. Assume que “a primeira semana foi difícil, mas depois integrei-me bem, os miúdos de lá começaram a ser os meus irmãos, os professores e auxiliares começaram também a ser os meus tios e eramos uma família praticamente. Tive uma excelente reabilitação, eles ensinavam-nos as tarefas da vida diária e a orientação de mobilidade e depois quando tivéssemos a carta da bengala até podíamos sair, aliás eles incentivavam os jovens da minha idade a explorarem o mundo cá fora”.

    Mas assim que o percurso no Instituto terminou, restavam poucas hipóteses.

    “Quando saí tinha 2 opções, podia ficar em casa ou continuar estudos. Então optei por ir para a escola e terminei o 12º ano, em 1998, com o apoio dos professores e dos colegas, que tive a sorte de ter”.

    Apesar da boa preparação trazido do Instituto, o percurso na escola não foi fácil. Fosse pelo pouco material disponibilizado ou “pelas máquinas obsoletas que estavam sempre a encravar”. José Maria terminou o ensino secundário em 1998, mas, só 1 ano depois, apoiado pela professora Fátima, decidiu candidatar-se à universidade. Foi aceite na Faculdade de Letras da Universidade do Porto no curso de sociologia. O curso “não corria mal”, mas não era aquilo que José imaginava. Foi então que teve conhecimento de um curso de assistente administrativo na ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal). Desistiu da licenciatura e decidiu ingressar no curso, foi já na fase de estágio que surgiu a oportunidade de estagiar na Biblioteca Municipal de Lousada. José Maria deu início ao projeto de “leitura especial e montámos a sala para cegos”. A produtividade do estágio foi de tal ordem que, em 2015, assina o primeiro contrato de trabalho na Biblioteca Municipal de Lousada, onde se mantém até hoje. Tirou, entretanto, o curso de profissional de bibliotecas. A entrada no mercado de trabalho foi “uma vitória”.

    “Entrar no mercado de trabalho é um grande passo, não é muito fácil uma pessoa com deficiência ter trabalho. Então entrar no mercado de trabalho e integrar-se naquela equipa da biblioteca foi muito importante porque me possibilitou não estar em casa sem fazer nada e depois é importante porque me tratam como se fosse uma pessoa normal”, admite José Marques.

    O trabalho na Biblioteca Municipal é estimulante, mas José Maria não desistiu dos estudos. Voltou à universidade em 2009 para tirar a Licenciatura em Educação, que terminou em 2013. E foi no ano seguinte, em 2014, que surgiu um dos grandes projetos de vida de José Maria, a presidência da ALDAF.

    A criação da associação surgiu da necessidade de criar um espaço dedicado a pessoas deficientes no concelho, para que se pudessem entreter e não ficarem em casa. Para isso, José Maria contou com a ajuda do amigo Miguel Ângelo e de João Ferro, cunhado do doutor Mário Fonseca, e dono de uma farmácia, em Lousada. A ideia de colocar “amigos e familiares” no nome da instituição surge pelo facto de “estes serem fundamentais para uma associação”.

    A 16 de agosto de 2014 surge então a ALDAF (Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares) e, por insistência de muitos, José Marques tomou posse como presidente da associação. E, nos 9 anos de associação, nem tudo “são rosas”.

    “Não têm sido tempos fáceis, temos conseguido levar o barco, mas não é fácil. Temos altos e baixos”, reconhece o presidente.

    Atualmente, a ALDAF funciona nas instalações da Junta de Freguesia de Alvarenga, espaço que lhe é cedido gratuitamente pela Junta de Freguesia e onde funcionam, todos dias, as atividades para os cerca de 14 participantes.

    “Estamos aqui bem. Temos uma boa sala e o espaço é acessível. A Junta de Freguesia tem-nos apoiado muito” revela José Marques.

    Ainda assim, o responsável máximo pela associação assume que “precisávamos de mais apoios. Temos o apoio da Junta e da Câmara e de algumas empresas, mas claro que era bom termos mais”, identifica o presidente.

    Atualmente, a associação conta com cerca de 118 sócios, mas “nem todos com as cotas em dia”. Qualquer pessoa pode ser sócia da ALDAF, para isso basta dirigir-se às instalações da Junta de Freguesia de Alvarenga, onde os participantes se reúnem diariamente para participarem nas atividades, ou a qualquer membro da associação e preencher o formulário de inscrição mediante o pagamento.

    Para todo este percurso, José Maria conta com o apoio incondicional dos pais e irmã, que “sempre me ajudaram e incentivaram em todos os meus projetos e planos. Nunca tive os meus pais a dizerem para não ir ou não fazer”, remata. 

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Publicidade

    mais recentes

    Reunião entre GNR, Município de Lousada, Comissão de Festas e Bares termina com resultado positivo

    Nesta manhã, uma reunião entre a Guarda Nacional Republicana (GNR), o Município de Lousada,...

    Descida da imagem do Senhor dos Aflitos em Lousada

    A cerimónia da descida do Sr. dos Aflitos aconteceu, esta tarde, dia 25 de...

    Maria Jorge Nomeada para os Globos de Ouro pela Peça “Remédio”

    Maria Jorge, atriz lousadense, recebeu uma nomeação inédita para os XXVIII Globos de Ouro...

    Câmara Municipal de Lousada anuncia medidas para controlar ruído durante as Grandiosas

    Em resposta às reclamações de moradores sobre o ruído gerado pelas festas que se...

    Festival da Francesinha animou Praça das Artes em Felgueiras

    A Praça das Artes em Felgueiras recebeu, entre 18 e 21 de julho, o...