25 julho 2024, 19:52
Mais
    InícioVale do SousaPenafielDiana Rocha foi uma das enfermeiras dispensadas do Hospital de Penafiel

    Diana Rocha foi uma das enfermeiras dispensadas do Hospital de Penafiel

    Published on

    Diana Rocha, tem 29 anos, e é natural da freguesia de Frazão, em Paços de Ferreira. Entrou como profissional de enfermagem no Hospital Padre Américo a 28 de novembro de 2022 “à luz de um concurso urgente, assinando um contrato de 6 meses sem possibilidade de renovação. O próprio contrato dizia-nos isto mesmo. Ninguém nos escondeu. Aceitei sabendo o que estava a assinar. Mas fui na esperança de dar um upgrade nas minhas habilitações e possivelmente abrir mais portas ao meu futuro profissional. Supostamente seria para assegurar o pico de inverno, seríamos a equipa de contingência. Contudo, ao longo dos meses, fomos verificando que esse mesmo ‘pico de inverno’ efetivamente nunca termina”, explicou a jovem. 

    Ainda assim, a 6 de junho e, depois de decisão da Direção Regional do Porto, a jovem de 29 anos teve mesmo de abandonar o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa com o despedimento, juntamente com mais 30 colegas.

    Uma situação bastante difícil de explicar. “Ainda com a nossa presença lá os doentes acumulavam e todos nós tínhamos sempre horas extras mensais o que demonstra que, findo o nosso contrato, quem vai arcar com todas essas horas extras são os colegas que lá ficam o que vai causar prejuízo a vários níveis, quer pessoais pelo desgaste físico e psicológico dos colegas, quer pela precariedade de cuidados que são prestados aos doentes porque não há profissionais suficientes para prestar cuidados a tantos doentes”. Mas as dificuldades não ficam por aqui. “Sabemos ainda que, nas medicinas, tiveram de reduzir aos rácios por turno de profissionais (menos 1 enfermeiro em cada turno). Se antes um enfermeiro ficava com cerca de 9 doentes por turno, o que por si só já não seria o ideal, atualmente fica com 13/14 doentes”.

    Para além da deficiência nos cuidados, já houve cirurgias canceladas no hospital desde a saída destes profissionais.

    “Dada a dificuldade no acompanhamento dos doentes alocados às medicinas e urgências, por falta de profissionais, foram canceladas todas as cirurgias programadas não urgentes, de 1 de junho, até, pelo menos, ao dia 7 de junho”, revela a jovem enfermeira.

    Os 31 enfermeiros foram despedidos no dia 27 de maio, apesar da importância para o serviço.

    “Ao longo dos meses ouvimos dezenas de vezes para não nos preocuparmos porque era evidente a necessidade de profissionais no hospital e que havia de facto muita esperança de todos em ficarmos. Havia lugar para todos e nem assim todas as necessidades ficariam suprimidas. Fomos sabendo pela administração que estariam a tentar aprovação do governo, nomeadamente, o Ministério da Saúde e das Finanças para a nossa recontratação”. Contudo e, apesar da necessidade, o Ministério das Finanças não aprovou o orçamento necessário para a continuidade destes profissionais. Desde então, há relatos de horas extraordinárias que estão exigidas aos profissionais que ficaram no serviço e de doentes internados nos corredores.

    “As horas extras por profissional são uma realidade assustadora e em número absurdamente elevado. Note-se que em maio, enquanto nós ainda estávamos em funções no hospital, as horas extras chegaram a atingir cerca de 3500h nos serviços de urgência e medicina. Com a saída de cerca de 31 profissionais, com horários completos, pode-se imaginar quantas horas vão sobrar para os colegas que lá ficam a trabalhar. Estes números falam por si e demonstram que a nossa presença é um desfalque relevante ao hospital. Aliás contas muito simples demonstram que com estas horas extras daria para contratar cerca de 20-25 enfermeiros a tempo inteiro”, conta.

    Diana Rocha assume que “tem sido viver um dia de cada vez indo à luta porque esta profissão já me mostrou que será um constante desafio toda a minha vida”, mas assume “é no olhar para a minha filha de 2 anos que o aperto no coração surge mais forte pois ficar desempregada nesta altura, com uma crise económica tão grande é um sufoco, uma frustração e tristeza constantes. É viver na incerteza. Tenho direito a subsídio de desemprego, mas o mesmo não me paga as contas e eu preciso e quero trabalhar”.

    Para o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), o despedimento deste grupo de profissionais irá colocar em causa a “qualidade dos cuidados prestados por diminuição dos rácios de enfermeiros por turno; o aumento da dificuldade do gozo de direitos de outros enfermeiros; e o aumento exponencial de recurso ao trabalho extraordinário”, pode ler-se na publicação do Facebook do SEP. A solução passa por “vincular todos estes enfermeiros. Defender o Sistema Nacional de Saúde (SNS) faz-se com ações concretas como esta”, pode ler-se ainda.

    Na sexta-feira, dia 6 de junho, depois da decisão da Direção Regional do Porto, o grupo de enfermeiros decidiu unir-se e concentrou-se em frente ao Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, em Penafiel.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Publicidade

    mais recentes

    Reunião entre GNR, Município de Lousada, Comissão de Festas e Bares termina com resultado positivo

    Nesta manhã, uma reunião entre a Guarda Nacional Republicana (GNR), o Município de Lousada,...

    Descida da imagem do Senhor dos Aflitos em Lousada

    A cerimónia da descida do Sr. dos Aflitos aconteceu, esta tarde, dia 25 de...

    Maria Jorge Nomeada para os Globos de Ouro pela Peça “Remédio”

    Maria Jorge, atriz lousadense, recebeu uma nomeação inédita para os XXVIII Globos de Ouro...

    Câmara Municipal de Lousada anuncia medidas para controlar ruído durante as Grandiosas

    Em resposta às reclamações de moradores sobre o ruído gerado pelas festas que se...

    Festival da Francesinha animou Praça das Artes em Felgueiras

    A Praça das Artes em Felgueiras recebeu, entre 18 e 21 de julho, o...